O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

24 DE JANEIRO DE 2018

3

PROJETO DE LEI N.º 683/XIII (3.ª)

(REGULARIZAÇÃO DO ESTATUTO JURÍDICO DAS CRIANÇAS COM NACIONALIDADE

ESTRANGEIRA ACOLHIDAS EM INSTITUIÇÕES DO ESTADO OU EQUIPARADAS)

Parecer da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias e nota técnica

elaborada pelos serviços de apoio

Parecer

Parte I

Considerandos

I. Nota introdutória

Como se refere na Nota Técnica, que se dá por reproduzida, “A iniciativa sub judice, apresentada pelo

Grupo Parlamentar do BE, tem como preocupação central a regularização do estatuto jurídico de

crianças estrangeiras em Portugal, acolhidas em instituições do Estado ou equiparadas, conforme

resulta do título da iniciativa e da sua exposição de motivos.

Segundo o proponente “A regularização do estatuto jurídico de cidadãos/ãs imigrantes em Portugal

constitui um imperativo de primeira importância para a proteção dos direitos humanos destas pessoas,

cuja fragilidade social se apresenta, em geral, com uma intensidade acrescida.

(…)

A situação assume contornos particularmente graves e inaceitáveis quando estão em causa crianças,

cujos progenitores são cidadãos/ãs imigrantes, acolhidas em instituições do Estado ou equiparadas na

sequência de processos de promoção e proteção e que, não obstante isso, são mantidas numa condição

de irregularidade face à ordem jurídica portuguesa por não lhes ser reconhecida a nacionalidade

portuguesa, nem lhe ser atribuída uma autorização de residência.”

O proponente entende que o Estado, ao manter “o primado do vínculo de ascendência” para efeitos

de legalização destas crianças, priva-as de qualquer hipótese de regularização da sua situação perante

o Estado Português, e, consequentemente, do exercício dos seus mais elementares direitos, enquanto

crianças, no País.

Considera inadmissível que o mesmo Estado que determina o acolhimento destas crianças em

instituições suas ou equiparadas, crie ao mesmo tempo obstáculos à regularização da sua situação no

país, motivo porque, em nome do interesse superior da criança, defende sejam revistos os

procedimentos e a cultura administrativa do Estado, “autonomizando essas crianças da história familiar

que as aprisiona”, por forma “a agilizar a naturalização ou a atribuição de autorizações de residência às

crianças nestas condições”.

Nesse intuito, apresenta um projeto de lei que intervém essencialmente sobre estas duas matérias:

a) No âmbito da regularização da permanência destas crianças em território português, mediante a

emissão de autorizações de residência, propondo para o efeito alterações pontuais ao Regime

Jurídico de Entrada, Permanência, Saída e Afastamento de Estrangeiros do Território Nacional –

Lei n.º 23/2007, de 4 de julho (e sucessivas alterações), nomeadamente ao seu artigo 123.º e

aditando-lhe um novo artigo 124.º-A; e,

b) No âmbito da aquisição da nacionalidade portuguesa por naturalização, de crianças menores,

nascidas em Portugal, filhos de estrangeiros, pela concessão da nacionalidade portuguesa,

introduzindo alterações pontuais à Lei da Nacionalidade, Lei n.º 37/81, de 3 de outubro (e

sucessivas alterações), nomeadamente aos seus artigos 6.º e 15.º.

Páginas Relacionadas
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 4 Contudo, atento o âmbito subjetivo da inicia
Pág.Página 4
Página 0005:
24 DE JANEIRO DE 2018 5 O projeto de lei adita um novo número (n.º 3) ao seu artigo
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 6 adequada satisfação de necessidades físicas,
Pág.Página 6
Página 0007:
24 DE JANEIRO DE 2018 7 regula o direito de asilo, mediante proposta do diretor nac
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 8 Parte II Opinião da relatora <
Pág.Página 8
Página 0009:
24 DE JANEIRO DE 2018 9 dezembro, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 194/2003, de
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 10 Esta última faz republicar a Lei n.º 37/81,
Pág.Página 10
Página 0011:
24 DE JANEIRO DE 2018 11 2. Face ao exposto, a Comissão de Assuntos Constitucionais
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 12 Segundo o proponente ”A regularização do es
Pág.Página 12
Página 0013:
24 DE JANEIRO DE 2018 13 criança a sua segurança, saúde, formação, educação e desen
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 14 vigente, este regime é apenas aplicável qua
Pág.Página 14
Página 0015:
24 DE JANEIRO DE 2018 15 que o artigo 94.º do Regimento estatui que essa votação, p
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 16 142/2015, de 8 de setembro. Mutatis mutandi
Pág.Página 16
Página 0017:
24 DE JANEIRO DE 2018 17 2 – O Governo concede a nacionalidade, por naturalização,
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 18 “Artigo 15.º Residência legal
Pág.Página 18
Página 0019:
24 DE JANEIRO DE 2018 19 a) Está abandonada ou vive entregue a si própria; b
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 20 2 – Os direitos referidos no número anterio
Pág.Página 20
Página 0021:
24 DE JANEIRO DE 2018 21 286/XII34. A segunda das referidas propostas de lei
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 58 22 No que se refere à aquisição da nacionalida
Pág.Página 22
Página 0023:
24 DE JANEIRO DE 2018 23 ao Conselho Superior do Ministério Público, à Ordem dos Ad
Pág.Página 23