O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

2 DE JUNHO DE 2020

71

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 505/XIV/1.ª

RECOMENDA AO GOVERNO QUE REFORCE OS INCENTIVOS DO ESTADO AO USO DAS

BICICLETAS

O atual Governo, como o anterior, encara o ambiente como uma das suas apostas prioritárias, numa altura

em que o País e o mundo se debatem com os efeitos das alterações climáticas.

O Programa do Governo destaca a sustentabilidade ambiental, a transição energética e a valorização

territorial como objetivos de políticas para tornar a sociedade e a economia portuguesas mais resilientes e

preparadas para os desafios climáticos das próximas décadas: reduzir as emissões de gases com efeito de

estufa e atingir a neutralidade carbónica nos próximos 30 anos.

Correspondendo a cerca de 25 % das emissões, o setor dos transportes desempenha um papel crucial neste

caminho, sobretudo num País onde a maioria da população continua a usar carro próprio para grande parte dos

seus percursos. A ação governamental assenta, por isso, em três pressupostos: a promoção do transporte

público, a eletrificação dos veículos e a transferência de mais utilizadores para modos de deslocação mais

sustentáveis e ativos, como a bicicleta.

Para dar resposta à promoção da mobilidade suave ou ativa, o Governo definiu as seguintes medidas no seu

Programa do Governo:

 Melhorar a integração dos novos conceitos de mobilidade elétrica ligeira (por ex., trotinetas, bicicletas),

promovendo a segurança na utilização e evitando conflitos na ocupação do espaço público;

 Eliminar os obstáculos ainda existentes ao transporte de bicicletas nos transportes públicos,

nomeadamente nos barcos, comboios, metro e autocarros;

 Expandir os sistemas públicos de bicicletas partilhadas, promovendo a intermodalidade desses serviços

com o comboio, barco, metro e autocarros;

 Apoiar o desenvolvimento de redes cicláveis e áreas livres de automóveis, através da requalificação do

espaço público e outras formas de mobilidade ativa, em harmonia com o meio urbano envolvente;

 Desenvolver a rede nacional de infraestruturas cicláveis, no âmbito da Estratégia Nacional de Mobilidade

Ativa, incluindo a definição de uma rede de infraestruturas de âmbito internacional, nacional,

regional/intermunicipal e local, promotora da mobilidade suave contínua, conexa, segura e inclusiva;

 Dinamizar a criação de uma rede de cidades portuguesas amigas da bicicleta promovendo a adoção de

políticas tendentes à acessibilidade universal deste modo de transporte;

 Incentivar a criação de planos de mobilidade sustentável por parte de grandes polos atractores ou

geradores de deslocações (por ex. equipamentos de serviços públicos, grandes empresas) e alinhar incentivos

com as medidas propostas;

 Estimular a descarbonização das frotas de logística urbana através da substituição de frota a combustão

por bicicletas convencionais e/ou com assistência elétrica;

 Expandir e promover o projeto «Cycling and Walking» transformando Portugal num destino mundial para

rotas pedestres e clicáveis.

Considerando esta prioridade política, o anterior Governo elaborou a Estratégia Nacional para a Mobilidade

Ativa Ciclável 2020-2030 (EMNAC 2020-2030) e assumiu o compromisso de desenvolver a Estratégia Nacional

de Mobilidade Ativa Pedonal, traçando objetivos para a década e independente de ciclos políticos e assegurando

a promoção do uso da bicicleta, do andar a pé e a adoção de hábitos de vida mais saudáveis.

A promoção da utilização da bicicleta como modo de deslocação citadina tem um significativo contributo para

um desenvolvimento sustentável. A bicicleta é um modo ativo e alternativo nas deslocações urbanas e contribui

Páginas Relacionadas
Página 0072:
II SÉRIE-A — NÚMERO 99 72 de forma positiva para alterar as condições
Pág.Página 72
Página 0073:
2 DE JUNHO DE 2020 73 da aquisição e da reparação e sempre que seja utilizada para
Pág.Página 73