O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

8 | II Série B - Número: 100 | 14 de Julho de 2010

Os Deputados do PS: Paulo Pisco — Maria de Belém Roseira — Rosa Maria Albernaz — José Vera Jardim — Miguel Coelho — Conceição Casa Nova — José de Bianchi — Defensor Moura — Ana Paula Vitorino — Teresa Damásio.

———

VOTO N.º 34/XI (1.ª) DE CONDENAÇÃO PELOS ATAQUES TERRORISTAS QUE TIVERAM LUGAR EM MOSCOVO

O terrorismo voltou a mostrar a sua face na manhã de 29 de Março de 2010. A cidade de Moscovo viu a barbárie e a cobardia intrometerem-se na sua vida quotidiana, causando a morte a 39 pessoas e ferindo outras 72. Reivindicado pouco tempo depois pela guerrilha chechena, estes ataques mostram como estão vivas as redes terroristas do Norte do Cáucaso e como são usadas as mulheres nos planos bombistas suicidas. Após este atentado no metro de Moscovo, têm ocorrido nos últimos dias outros atentados à bomba em diferentes regiões da Federação Russa, provocando mais vítimas mortais.
A Rússia foi um dos países que mais sofreu com o terrorismo transnacional na última década. Todos se recordarão dos ataques no teatro Dubrovka (2002), do duplo atentado no metropolitano e do terror na escola de Beslan (2004) ou mais recentemente no descarrilamento provocado por uma bomba colocada na ligação entre Moscovo e São Petersburgo (2009). O resultado é, infelizmente, o mesmo: inúmeras vítimas mortais e feridos, pânico e medo generalizados.
O Ocidente e a Rússia têm feito um caminho de aproximação na luta contra o terrorismo, o crime organizado e o fundamentalismo. Moscovo tem sido um parceiro sério no combate às principais ameaças do século XXI, comuns ao espaço de segurança colectivo que partilha com europeus e norte-americanos. Esta cooperação é de sublinhar e merece ser solidificada. Só assim o terrorismo pode ser combatido e derrotado.
Assim, a Assembleia da República manifesta profunda condenação pelos ataques bárbaros no metro de Moscovo, bem como pelos demais atentados terroristas ocorridos nos últimos dias na Federação Russa, e expressa o seu pesar pela perda de vidas humanas às mãos do terrorismo, apresentando sentidas condolências às autoridades e ao povo russos.

Lisboa, Palácio de São Bento, 6 de Abril de 2010 Os Deputados do CDS-PP: Altino Bessa — Paulo Portas — João Rebelo — Telmo Correia — Hélder Amaral — Pedro Mota Soares — João Pinho de Almeida — José Ribeiro e Castro — Nuno Magalhães — Raúl de Almeida — Assunção Cristas — José Manuel Rodrigues — João Serpa Oliva — Cecília Meireles — Teresa Caeiro — Pedro Brandão Rodrigues — Abel Baptista — Artur Rêgo — Isabel Galriça Neto — Michael Seufert — Filipe Lobo D' Ávila.

———

VOTO N.º 35/XI (1.ª) DE CONDENAÇÃO PELA INSTABILIDADE POLÍTICO-MILITAR E PELO ATENTADO À ORDEM CONSTITUCIONAL OCORRIDO NA GUINÉ-BISSAU

No passado dia 1 de Abril, a Guiné-Bissau foi novamente sobressaltada por uma tentativa de golpe militar tendente a afastar pela força das armas o Primeiro-Ministro Carlos Gomes Júnior e o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Zamora Induta.
Os factos, que mereceram nas ruas de Bissau o espontâneo repúdio da população, surpreenderam de forma muito negativa a comunidade internacional e, infelizmente, interromperam esforços que têm estado em curso por parte das autoridades legítimas da Guiné-Bissau junto de diferentes círculos e instituições internacionais, no sentido de reforçar apoios e investimentos externos para o desenvolvimento económico e o progresso social do país, em benefício do povo guineense.

Páginas Relacionadas
Página 0009:
9 | II Série B - Número: 100 | 14 de Julho de 2010 Depois de vários anos muito conturbados
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | II Série B - Número: 100 | 14 de Julho de 2010 A situação política e militar na Guiné-
Pág.Página 10