O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

6 DE JUNHO DE 2019

3

científica. Só quando o problema verdadeiramente bate à porta é que muitos começam a despertar para ele e

esse desprezo pela urgência de medidas a tomar gerou vulnerabilidades e riscos que poderiam ter sido evitados

ou, pelo menos, minimizados.

O que a comunidade científica deixa claro é que se o aumento da temperatura média no planeta se situar

acima dos 2ºC, em relação à era pré-industrial, as consequências podem ser dramáticas e catastróficas. Todos

temos bem presente a devastação provocada pelo ciclone Idai, em Moçambique, e uma coisa é certa: os

extremos climáticos e a intensidade desses fenómenos têm tendência para se agravar por todo o mundo,

provocando altos níveis de destruição, perda de vidas humanas e muitos refugiados climáticos à procura de

sobrevivência. Quanto mais emissões de gases com efeito de estufa se lançarem para a atmosfera, mais se

agrava o fenómeno e, quanto mais vulnerável for o território, mais drama se associa a estes fenómenos.

É nestas circunstâncias que Os Verdes não podem deixar de reiterar uma palavra de repúdio pela atitude

dos Estados Unidos da América que, com Donald Trump, se desvincularam do Acordo de Paris, como já tinham

feito, de resto, em relação ao Protocolo de Quioto, quando têm uma enormíssima responsabilidade nas emissões

globais de gases com efeito de estufa, declarando, assim, uma verdadeira guerra ambiental ao mundo.

A verdade é que as alterações climáticas estão aí. Em Portugal, sentimos bem os seus efeitos e, no ano de

2017, por exemplo, sofremos uma das suas consequências devastadoras, consequências agravadas por

vulnerabilidades construídas com políticas erráticas e erradas, que mais olharam aos interesses económicos

imediatos do que à segurança e à sustentabilidade do território.

Efetivamente, ao longo dos anos a floresta em Portugal foi construída à luz dos interesses das celuloses,

expandindo-se vastas e extensas monoculturas de eucalipto, ao mesmo tempo que, muito por responsabilidade

de políticas da União Europeia e de Governos portugueses subservientes a essas políticas, se promoveu o

abandono do mundo rural, da área agrícola e se deixou a floresta apta para arder ferozmente em anos de seca

intensa. Ora aqui está um bom exemplo do que contraria, em toda a linha, uma opção política de adaptação do

território às alterações climáticas, que deve identificar, para reduzir, os fatores de vulnerabilidade no País no

que respeita aos efeitos das alterações climáticas.

Foi justamente por isso que Os Verdes, nesta Legislatura, inscreveram, na posição conjunta que assinaram

com o PS, e trabalharam intensamente para que fosse alterada, a lei da arborização e rearborização — aquela

que ficou conhecida como a «lei da liberalização do eucalipto» —, da responsabilidade de Assunção Cristas e

do Governo PSD/CDS.

Estancar o crescimento continuado das ininterruptas monoculturas de eucalipto era uma decisão que a

sensatez mandava tomar urgentemente. Pela ação de Os Verdes essa decisão foi tomada.

É também por isso que Os Verdes contrariam, desde que foi elaborado, o Plano Nacional de Barragens, que

contém a intenção de construção de barragens que representam praticamente zero para a eletroprodução

nacional e que têm um efeito gravíssimo a nível da perda de biodiversidade e da fragilização do litoral,

contribuindo para a sua erosão, por interferência no transporte de sedimentos pelos nossos rios.

Fez, por isso, bem o Governo quando, também com grande insistência de Os Verdes, decidiu pela não

construção da barragem do Fridão — a qual teria também outras implicações concretas na segurança do

território —, mas fez mal o Governo em não ter travado a construção das albufeiras do Alto Tâmega, tal como

estão definidas.

Na vertente da mitigação das alterações climáticas, é preciso ter consciência de que o setor da energia

assume uma responsabilidade de cerca de 70% das emissões de gases com efeito de estufa, em Portugal.

Dentro deste, o setor da produção e transformação de energia representa cerca de 25%, pelo que a

descarbonização necessária reclama medidas eficazes como, por exemplo, o encerramento urgente das

centrais termoelétricas de Sines e do Pego.

O setor dos transportes é outro que tem uma responsabilidade de peso, também perto dos 25% no que

respeita às emissões de gases com efeito de estufa, pelo que requer uma intervenção estratégica e consequente

que dê resultado na diminuição substancial dessas emissões.

Ora, como se verifica que, entre 1990 e 2016, as emissões de gases com efeito de estufa tiveram um

crescimento de 63%, a pergunta que se coloca é a seguinte: como é possível que os sucessivos Governos do

PSD, do CDS e do PS, ao longo dos anos, tenham contribuído para esta realidade, demonstrando uma

irresponsabilidade efetiva?

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 92 2 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Srs
Pág.Página 2
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 92 4 O transporte ferroviário é, talvez, daqueles qu
Pág.Página 4
Página 0005:
6 DE JUNHO DE 2019 5 O Sr. Presidente: — Sr.ª Deputada, como foi combinado,
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 92 6 Até 2030, reduziremos as nossas emissões em 50%
Pág.Página 6
Página 0007:
6 DE JUNHO DE 2019 7 Com os leilões, seja qual for a sua forma ou resultado, teremo
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 92 8 A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — E
Pág.Página 8
Página 0009:
6 DE JUNHO DE 2019 9 combustíveis, não poluentes —, também se faz pelo aumento do e
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 92 10 A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): —
Pág.Página 10
Página 0011:
6 DE JUNHO DE 2019 11 A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — E a Sr.ª Deputada tem
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 92 12 Infraestruturas — e dizer-lhe que o balanço de
Pág.Página 12
Página 0013:
6 DE JUNHO DE 2019 13 serem transportados como sardinha em lata — diria mesmo que s
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 92 14 Sr. Ministro, o Roteiro para Neutralidade Carb
Pág.Página 14
Página 0015:
6 DE JUNHO DE 2019 15 Por isso, Sr. Ministro, o que queria dizer-lhe é que há outra
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 92 16 O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Sr. Secretário
Pág.Página 16
Página 0017:
6 DE JUNHO DE 2019 17 O Sr. André Silva (PAN): — Sr. Presidente, Sr. Ministr
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 92 18 O Sr. Ministro do Ambiente e da Transiç
Pág.Página 18
Página 0019:
6 DE JUNHO DE 2019 19 Sr. Deputado João Marques, há, de facto, uma resposta direta
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 92 20 Relativamente à Soflusa, não consigo dar melho
Pág.Página 20
Página 0021:
6 DE JUNHO DE 2019 21 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Passamos, ago
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 92 22 Aplausos de Os Verdes e do PCP.
Pág.Página 22
Página 0023:
6 DE JUNHO DE 2019 23 tinham lotação para recebê-las. Diria que a forma com que o S
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 92 24 Também a melhoria da cobertura da rede e da of
Pág.Página 24
Página 0025:
6 DE JUNHO DE 2019 25 O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Sr. Presidente, Sr. M
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 92 26 No entanto, as queixas têm aumentado e, por ou
Pág.Página 26
Página 0027:
6 DE JUNHO DE 2019 27 O Sr. Bruno Dias (PCP): — Muito bem! O Sr. Duar
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 92 28 Risos da Deputada do BE Joana Mortágua.
Pág.Página 28
Página 0029:
6 DE JUNHO DE 2019 29 O Sr. Bruno Dias (PCP): — As carruagens agora são bera
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 92 30 resolvido quando estavam no Governo e, nessa a
Pág.Página 30
Página 0031:
6 DE JUNHO DE 2019 31 e o que diz, em Almada, a Sr.ª Dr.ª Inês Medeiros, para verif
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 92 32 Faça favor, Sr. Deputado. O Sr.
Pág.Página 32
Página 0033:
6 DE JUNHO DE 2019 33 Aplausos do PSD. O Sr. Presidente (José Manuel
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 92 34 O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Sr. Presidente
Pág.Página 34
Página 0035:
6 DE JUNHO DE 2019 35 porque a encomenda de comboios é essencialmente para o serviç
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 92 36 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Sr.as
Pág.Página 36
Página 0037:
6 DE JUNHO DE 2019 37 que existem. Aumentar a oferta, aumentar as carreiras, aument
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 92 38 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Queir
Pág.Página 38
Página 0039:
6 DE JUNHO DE 2019 39 de estufa, apostar decidida e seriamente nas energias renováv
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 92 40 Se o Governo considera que resolve o problema
Pág.Página 40
Página 0041:
6 DE JUNHO DE 2019 41 Foi constituído o painel científico de suporte à Estratégia N
Pág.Página 41