O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

63 | I Série - Número: 069 | 26 de Março de 2011

A sua actividade também se estendeu ao cinema e à televisão. Participou em filmes, como Capas Negras (1947), O Leão da Estrela (1947), Cantiga da Rua (1949), Sonhar é Fácil (1951), Dois Dias no Paraíso (1957), O Tarzan do 5.º Esquerdo (1958), Encontro com a Vida (1960) e Perfeito Coração (2009). Na televisão, participou em séries e telenovelas, como Ana e os Sete e Casa da Saudade.
A 28 de Dezembro de 2010, três dias depois de fazer 90 anos, foi condecorado pelo Presidente da República com a Comenda da Ordem Militar de Santiago da Espada.
No mesmo ano também recebeu o Globo de Ouro da SIC/Caras de Mérito e Excelência.
Um dos rostos mais popular da sua geração, Artur Agostinho ficará para a história da rádio e da comunicação em Portugal.
A Assembleia da República exprime o seu pesar pela morte de Artur Agostinho e expressa aos seus familiares as suas sentidas condolências.

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos proceder à votação do voto que acabámos de apreciar.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Srs. Deputados, vamos guardar 1 minuto de silêncio.

A Câmara guardou, de pé, 1 minuto de silêncio.

Srs. Deputados, vamos passar ao voto n.º 111/XI (2.ª) — De condenação pela agressão militar à Líbia (PCP).
Tem a palavra o Sr. Deputado António Filipe.

O Sr. António Filipe (PCP): — Sr. Presidente, Srs. Deputados: Apresentamos este voto de condenação pela agressão militar que se verifica contra a Líbia perante a evidência de que o que se está a passar naquele país não tem nada que ver com um acto humanitário nem com a defesa do povo líbio ou da democracia, mas unicamente com objectivos políticos e geoestratégicos e de controlo dos recursos naturais por parte das potências agressoras.

Vozes do PCP: — Bem lembrado!

O Sr. António Filipe (PCP): — Que fique claro, Sr. Presidente e Srs. Deputados, que nesta Assembleia os amigos de Kadhafi não somos nós.

Vozes do PCP: — Muito bem!

O Sr. António Filipe (PCP): — Não foi ninguém desta bancada que foi a Tripoli comemorar os 40 anos de exercício do poder pelo Coronel Kadhafi nem foi ninguém desta bancada que foi ao «beija-mão» ao Coronel Kadhafi na tenda montada no Forte de São Julião da Barra, aquando da Presidência Portuguesa da União Europeia. Que isso fique claro!

O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Foi a bancada aqui ao nosso lado esquerdo!

O Sr. António Filipe (PCP): — Os amigos de Kadhafi nesta Assembleia são aqueles que, de há 15 dias para cá, passaram a defender a agressão à Líbia.
Sr. Presidente e Srs. Deputados, somos solidários com o povo da Líbia, com as suas aspirações de liberdade, de democracia, de progresso social, pela paz, pela soberania e pela sua integridade territorial e repudiamos quaisquer acções de violência sobre populações indefesas, na Líbia, em todo o mundo e, particularmente, no mundo árabe, nos momentos que estamos a atravessar.
Somos solidários com os líbios, que foram vítimas da repressão de Kadhafi, com os egípcios, que foram vítimas da repressão de Mubarak, com os tunisinos, que foram vítimas da repressão de Ben Ali, e com os

Páginas Relacionadas
Página 0072:
72 | I Série - Número: 069 | 26 de Março de 2011 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Sr. Pres
Pág.Página 72
Página 0073:
73 | I Série - Número: 069 | 26 de Março de 2011 urgentes para o Hospital de Chaves (PCP),
Pág.Página 73