O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

38 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010

o acesso universal na prestação de serviços e a remuneração dos prestadores de cuidados, referindo que «para que os serviços sejam utilizados, os entraves financeiros ao acesso têm de ser eliminados, e os utilizadores devem receber uma protecção financeira previamente calculada para fazer face aos previsíveis encargos inerentes á procura de cuidados de saõde. (…) Para conseguir a protecção financeira que deve acompanhar o acesso universal, os países têm de abandonar a cobrança de taxas aos utentes, sejam estas oficiais ou não, e generalizar os esquemas de pagamento antecipado e de criação de fundos de solidariedade» (pág. 10).
A Comissão Europeia (CE), no Relatório Conjunto sobre a Protecção Social e a Inclusão, divulgado a 26 de Fevereiro de 2008, vem igualmente manifestar a sua preocupação face às desigualdades no acesso ao sistema público de saúde, comum à maioria dos países. A CE alerta para a necessidade de os países reflectirem se as taxas moderadoras aplicadas estão a servir para conter o recurso abusivo aos sistemas nacionais de saúde ou se, pelo contrário, estão a ter o efeito perverso de excluir aqueles que estão mais desprotegidos, os mais pobres. A desigualdade no acesso aos cuidados de saúde justifica, segundo a Comissão Europeia, o facto dos mais pobres continuarem a ter uma esperança média de vida mais curta e a sofrer de mais doenças, na medida em que se vêem, muitas vezes, privados de assistência médica.

PARTE II – OPINIÃO DO RELATOR Está instituído na Constituição da República Portuguesa, através do seu artigo 64.º (Saúde), o direito à saúde e à protecção na doença. Este direito é assegurado pelo Estado através do Serviço Nacional de Saúde, sendo este sem dõvida ―um importante factor de igualdade e coesão social‖.
Desde 1989, aquando da 2.ª revisão constitucional, que está consagrado na Constituição Portuguesa a possibilidade de se cobrarem taxas moderadoras, ao dizer-se no n.º 2 do artigo 64.º da Constituição da República da Portuguesa que o serviço de saúde é tendencialmente gratuito. Dizem-nos os constitucionalistas J.J. Gomes Canotilho e Vital Moreira que ―as eventuais taxas são constitucionalmente ilícitas se pelo seu montante ou por abrangerem as pessoas sem recursos, dificultarem o acesso a esses serviços‖.
Mas refira-se que já antes, desde 1980, fora já introduzida no Serviço Nacional de Saúde, a figura das taxas moderadoras, sendo que nessa altura houvera já a preocupação social de definir grupos isentos dessa comparticipação como sejam mulheres na assistência pré-natal e no puerpério, filhos dos utentes até aos 12 anos de idade, pensionistas da pensão social, pensionistas da pensão de invalidez, velhice, sobrevivência e orfandade; beneficiários do abono complementar a crianças e jovens deficientes e beneficiários do subsídio mensal vitalício.
O princípio que esteve por detrás da aplicação destas taxas foi, tal como afirmou a então Ministra da Saõde, Leonor Beleza, ―racionalizar a procura de cuidados de saúde, não negando quando necessária, mas tendendo a evitar a sua utilização para alçm do razoável‖.
Posteriormente em 1990, foi publicada a Lei de Base da Saúde (Lei n.º 48/90 de 24 de Agosto) que vem reconhecer a aplicação de taxas moderadoras no acesso ao Serviço Nacional de Saúde enquanto medidas ―reguladoras do uso de serviços de saõde‖ que ―constituem tambçm receita do SNS‖. Esta lei menciona a isenção das taxas referidas por parte de ―grupos populacionais sujeitos a maiores riscos e os financeiramente mais desfavorecidos nos termos determinados na lei‖.
Na opinião do Deputado relator, estas taxas moderadoras, na sua generalidade, pretendem tão só, racionalizar a procura dos cuidados de saúde, mas estabelecendo a sua gratuidade para os grupos sociais mais carenciados, já referidos anteriormente e ainda os trabalhadores por conta de outrem que recebam rendimento mensal não superior ao salário mínimo mensal, seus cônjuges e filhos menores, desde que dependentes; insuficientes renais crónicos, diabéticos, hemofílicos, parkinsónicos, tuberculosos, doentes com sida e seropositivos, etc.
Deve-se notar que estas taxas não têm como finalidade pagar o preço dos serviços de saúde prestados e não resulta delas qualquer impedimento ou restrição de acesso dos cidadãos economicamente mais desfavorecidos, não invertendo por isso o que está constitucionalmente consagrado, de serem ―tendencialmente gratuitos‖.

Páginas Relacionadas
Página 0002:
2 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 PROJECTO DE LEI N.º 14/XI (1.ª) (ALTERA
Pág.Página 2
Página 0003:
3 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 pessoas homossexuais devem, pois, ser e
Pág.Página 3
Página 0004:
4 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 efeito. Pelo menos um dos contratantes,
Pág.Página 4
Página 0005:
5 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 uma nova figura civil que proteja as pe
Pág.Página 5
Página 0006:
6 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 As alterações pretendidas vão no sentid
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 De acordo com o artigo 36.º da Constitu
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 legislativa e da subsequente Resolução1
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 NOTA TÉCNICA Projecto de lei n.º
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 II. Apreciação da conformidade dos req
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 direitos, liberdades e garantias nos c
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 nomeadamente em matéria de direito fis
Pág.Página 12
Página 0013:
13 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 V. Consultas obrigatórias e facultativ
Pág.Página 13
Página 0014:
14 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 — A criação de uma nova figura jurídic
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 garantias são directamente aplicáveis
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 SANTOS, Duarte - Mudam-se os tempos, m
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 Enquadramento internacional A legislação
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 I. Análise sucinta dos factos e situaç
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 Porém, uma vez que altera o Código Civ
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 Com esse objectivo cita o Acórdão n.º
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 Enquadramento doutrinário Bibliografia e
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | II Série A - Número: 023 | 9 de Janeiro de 2010 A posição do PE relativamente a este õ
Pág.Página 22