O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

8 DE JULHO DE 2020

21

Com a proposta de lei em debate, o Governo procura prolongar uma medida que está muito longe de

responder aos problemas quer do chamado «comércio de rua», nos vários setores, quer dos lojistas dos centros

comerciais. O que o PCP propõe é a redução efetiva das rendas de forma proporcional à perda de rendimentos

verificada.

No que diz respeito ao regime geral do arrendamento não habitacional, propomos que haja essa redução

proporcional, sendo que o senhorio deve ser compensado pelo Estado.

No caso dos lojistas dos centros comerciais, devem ser atendidos os contratos que têm apenas componente

fixa e se deve aplicar a norma que acabei de referir e nos contratos de componente fixa e variável aplica-se

apenas esta última, em função das vendas realizadas, dando, aliás, seguimento ao que foi aprovado, sem votos

contra, no Orçamento Suplementar. É fundamental sublinhar que o PCP propôs, nesse debate orçamental, estas

medidas para ambos os setores, de forma coerente e conjugada. O problema é que a maioria aprovou as

propostas do PCP para uma parte do problema, chumbando, todavia, as propostas do PCP para o comércio de

rua.

A Assembleia da República tem, agora, uma oportunidade que não pode desperdiçar, quer para impedir as

práticas abusivas e inaceitáveis que os fundos internacionais estão a impor aos lojistas — como cláusulas

leoninas, etc. —, quer para garantir que não são excluídas as milhares e milhares de micro e pequenas empresas

do comércio de rua em todos os setores, bem como os lojistas com contratos de componente fixa.

O que é urgente e indispensável é que haja justiça e equidade e que os sacrifícios não sejam só para alguns,

deixando intocáveis os fundos milionários transnacionais. É para essa resposta de justiça e de equidade que

apontam as presentes propostas do PCP.

Haja, então, coragem política para as aprovar.

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente: — Para apresentar a iniciativa legislativa do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda,

tem a palavra a Sr.ª Deputada Maria Manuel Rola.

A Sr.ª Maria Manuel Rola (BE): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Secretário de Estado do

Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor: Não é novidade que esta crise tem trazido problemas graves aos

rendimentos e à atividade económica local. Num País em que se vivia a ilusão da especulação imobiliária e do

rentismo, manter este estado das coisas é insistir no afundar da maior parte do comércio e do retalho em

Portugal. Isto fica bem claro, nestes dias, nos centros históricos das cidades mais turísticas, em que grande

parte do comércio existente não consegue fazer face ao pagamento das rendas, em valores definidos por um

mercado especulativo anterior a uma situação que, neste momento, é de exceção e de falta de poder de compra

da economia local. Basta ver a rua de Santa Catarina, no Porto, em que grande parte das lojas não reabre ou

está, neste momento, já entaipada.

Mas outras situações existem, em que falamos de perfeitos abusos. Isso mesmo ficou visível quando os

proprietários e os gestores dos centros comerciais não quiseram — não sei se se recordam — deixar que as

lojas fechassem, quando se percebia da urgência e da necessidade do confinamento quer de trabalhadores,

quer de utilizadores. Houve manifestações e só a declaração do estado de emergência garantiu que estas

entidades não viessem solicitar indemnizações aos lojistas por encerramento das lojas nos horários que, pasme-

se, estavam definidos contratualmente. Existiu essa necessidade e o estado de emergência deu coberto para

uma intromissão no tal contrato que o Sr. Ministro e o Sr. Secretário de Estado dizem ser entre privados e que

está claramente desajustado nos dias de hoje. E isto é sensato: os proprietários e os gestores estavam a praticar

uma chantagem inaceitável e fria, num momento em que todo o País se mobilizou para responder a esta crise.

Perguntamos, então, por que razão não faz o Governo agora o mesmo, tendo em conta a dificuldade que

toda a economia atravessa. Por que opta por manter rendas fixas, que nem fazem parte dos contratos de certas

lojas? Não lhe parece justo aplicar renda variável em todas as situações, partilhando as perdas entre todas as

entidades em jogo?

O que se passa é que estas entidades estão, de facto, a manter a ação pela chantagem, como fizeram

inicialmente, mas, agora, chantageiam com o prolongamento de prazos de contratos, o aumento posterior de

Páginas Relacionadas
Página 0011:
8 DE JULHO DE 2020 11 O Sr. António Ventura (PSD): — O Governo dos Açores, da respo
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 72 12 O regime especial aqui proposto consiste, esse
Pág.Página 12
Página 0013:
8 DE JULHO DE 2020 13 O Sr. João Cotrim de Figueiredo (IL): — Sr. Presidente
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 72 14 No âmbito da habitação e descentralização e da
Pág.Página 14
Página 0015:
8 DE JULHO DE 2020 15 Sr. Secretário de Estado, sabemos da necessidade de aceder ra
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 72 16 Estamos perante uma revisão que é densa e comp
Pág.Página 16
Página 0017:
8 DE JULHO DE 2020 17 Quanto ao âmbito setorial de aplicação, não se compreende a f
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 72 18 sinalização não apareceram por acaso, surgiram
Pág.Página 18
Página 0019:
8 DE JULHO DE 2020 19 Deputado André Silva, o Sr. Deputado João Gonçalves Pereira e
Pág.Página 19