O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

0005 | II Série A - Número 001 | 18 de Setembro de 2003

 

São vários os hotéis, as pensões, os restaurantes, bares e cafés que suportam esta actividade. Na vil, há farmácias, oficinas de reparação de automóveis, mercado diário, barbearias, bancos, estação dos correios, lar de idosos, agências de contabilidade, extensão do centro de saúde, biblioteca, imobiliária, stand de automóveis, cabeleireiros, minimercados, floristas, praça de táxis, comércio de electrodomésticos e materiais de construção, etc.

VI - Dos equipamentos e actividade social e cultural

A par de todas as estruturas voltadas para o turismo, deve assinalar-se o excelente pavilhão gimnodesportivo, as piscinas e um programa anual de animação cultural levado a cabo pela concessionária das termas e que passa por espectáculos, exposições, palestras, convívios, passeios, etc.
Tem:
- Sala de espectáculos do Casino
- Cine-teatro
- Campo de futebol pelado
- Courts de ténis
- Quatro escolas do 1.º ciclo do ensino básico
- Jardim de infância
- Biblioteca da junta de turismo
- Biblioteca do casino
- Piscina do lago do Luso
- Casa da criança
- Lar-residência da Estalagem
- Lar de idosos IPSS
- Parque do lago
- Duas farmácias
- Um centro de saúde de cuidados primários
- Um jardim público
- Quatro hotéis

O movimento associativo também tem o seu peso e aqui destaca-se a acção do Clube Desportivo do Luso, na modalidade de futebol, e o Luso Ténis Clube, na modalidade de ténis com escola de jogadores e participação continuada em torneios regionais e nacionais.
Há um rancho folclórico, "Tricanas do Luso", e uma associação de jovens cristãos que trabalham no domínio da juventude. Existem ainda dois clubes de caça.
Atendendo a que a vila do Luso reúne os requisitos previstos na Lei n.º 11/82, de 2 de Junho, e ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, os Deputados abaixo assinados apresentam o seguinte projecto de lei:

Artigo único

A vila do Luso, no concelho da Mealhada, é elevada à categoria de cidade.

Assembleia da República, 15 de Setembro de 2003. - Os Deputados do PS: Rosa Maria Albernaz - Antero Gaspar.

PROJECTO DE LEI N.º 339/IX
ELEVAÇÃO DA VILA DA PAMPILHOSA, NO CONCELHO DA MEALHADA, À CATEGORIA DE CIDADE

I - Das razões históricas

Situada na região da Bairrada, a vila da Pampilhosa é um importante centro ferroviário e a mais populosa freguesia do concelho da Mealhada.
A citação em documento do século XII, num testamento de doação da vila rústica de Pampilhosa ao Mosteiro de Lorvão, feita por Gonçalo Randulfes e seu filho Telo, atesta a antiguidade da terra e das suas gentes, assim como vestígios aparecidos na gruta da Fujaca e na Quinta do Valongo atestam a presença da hominização desde tempos imemoriais.
Grande foi a ligação destas terras ao mosteiro de Lorvão, integrando plenamente o seu domínio territorial. Nesta condição sobreviveu à grande convulsão do mosteiro na transição dos séculos XII e XIII quando ele passou de masculino a feminino e foi por sua influência que se moldaram muitas das marcas que fazem hoje a freguesia de Pampilhosa.
Em 1853 foi desanexada do concelho de Coimbra e integrada no concelho da Mealhada, do qual faz hoje parte integrante.
A abertura do caminho-de-ferro da Beira Alta em 1879 e do ramal Pampilhosa-Figueira da Foz em 1880 vieram alterar profundamente o concelho e a Pampilhosa transformou-se num dos mais importantes nós ferroviários do País, com ligações privilegiadas ao norte e ao sul, bem como via de penetração na Europa. As novas e excelentes condições atraíram empresários dinâmicos e empreendedores que instalaram fábricas de cerâmica e serração, entre outras, e constituíram motor do grande desenvolvimento por que passou a freguesia no princípio do século.
Em consequência do crescimento registado, a Pampilhosa foi elevada à categoria de vila pelo Decreto-Lei n.º 67/85, de 25 de Setembro, e é hoje um lugar com grande potencialidade, tendo crescido em área e população acentuadamente.

II - Do património histórico-cultural

- Igreja Matriz (séc. XVIII)
- Casa Rural e Celeiros do Mosteiro de Lorvão (Séc. XVI)
- Marcos do Mosteiro de Lorvão (Séc. XII)
- Capela de S. Lourenço-Canedo (Século XVI)
- Cruzeiro da Barrosa (Séc. XVII),
- Fonte do Garoto (Séc. XX)
- Capela das Almas do Lagar (Séc. XVIII)
- Capela de S. Joaquim (Séc. XIX)
- Capela de Nossa Senhora de Fátima (Séc. XX)
- Retábulo da Casa Teixeira Lopes
- Cine-Teatro da Pampilhosa
- Aqueduto de Barro Vermelho
- Escola Primária de Tomás da Cruz
- Vila operária
- Capela de Nossa Senhora dos Aflitos
- Edifício da estação dos caminhos-de-ferro
- Vila operária da CP
- Chalet suíço
- Antigo quartel dos bombeiros
- Capela do Sr. Do Lombo

Páginas Relacionadas
Página 0006:
0006 | II Série A - Número 001 | 18 de Setembro de 2003   III - Da caracteriz
Pág.Página 6