O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

 

nesta matéria, que já permitiu deter uma mãe que louvava a prestação teatral do seu filho na véspera.
Ainda em relação à discriminação, evidentemente que já há doutrina, por essa Europa fora e nos Estados Unidos, que teoriza a questão do acesso às redes informáticas e a toda esta tecnologia como um direito universal.
Dir-lhe-ia que seria interessante, noutra sede, debatermos o facto de o acesso a estas novas correntes do pensamento, que passam muito pela utilização das novas tecnologias, estarem a dividir o nosso mundo ainda mais. Há bem pouco tempo, detectava-se que uma chamada telefónica - e não estamos a falar exclusivamente da informática, mas serve para exemplo - do Senegal para a Zâmbia tinha de passar pela Gambia e por Londres com o que isso implica do ponto de vista da apropriação de riqueza, etc.
Todavia, penso que não é com estas modificações que o PCP tenciona introduzir que vamos combater qualquer um destes males associados às novas tecnologias.
Diria, por exemplo, em relação à questão da autorização legal, que esta medida que o PCP propõe é um retrocesso, um anacronismo. O PCP, de quando em vez, parece ter alguma aversão à modernidade e ao que ela traz, transformando cautelas em resistências absolutamente desadequadas e até mais próprias da desconfiança do que de outra coisa.
O que interessa é que esteja garantido por lei que não há discriminação, que não há uso indevido. Se este inciso de autorização legal, bem assim como o relativo ao consentimento do titular dos dados foram anteriormente colocados no texto constitucional, foi precisamente para que se combatesse a rigidez num mundo em que já estamos a debater o egovernment ou governo electrónico.
Portanto, parece-me absolutamente estranho - e não quero qualificar mais porque esta não é uma sede de agressão partidária, aliás, nem creio que isso fosse legítimo em qualquer lado. Repito, acredito que a proposta é séria, mas parece-me estranho este retrocesso e este excesso garantístico do Partido Comunista Português. Levado ao limite, ele exige uma autorização casuística para o tratamento de qualquer espécie de dados na maior das organizações, o que pode emperrar qualquer sistema.
Imagine-se, por exemplo (e nem vou à questão dos partidos políticos), uma qualquer organização que tenha muitíssimas pessoas e que faça um processamento de dados absolutamente legítimo. Se voltássemos atrás, como parece propor o PCP, essa organização precisaria de uma autorização caso a caso. Portanto, não quero acreditar que seja isto, mas diria que há aqui um bocadinho de preconceito.
Em relação ao n.º 8, diria que há um excesso de vontade de detalhe ao pôr um número que não tem dignidade constitucional. Penso que esta possibilidade está perfeitamente garantida no n.º 1 do artigo, sendo que a lei oferece todos os meios de solução de um problema que tenha a ver com esta matéria. Não podemos transformar a Constituição da República Portuguesa num regulamento. Entendo que possa ser uma questão interessante para o PCP introduzir e clamar vitória mediante este n.º 8, mas, efectivamente, se assim fosse, teríamos uma Constituição muito maior e cuja dignidade formal e até substantiva se esbateria progressivamente.

O Sr. Presidente: - Não havendo mais oradores inscritos para intervir sobre o artigo 35.º, gostaria de dar nota à Comissão do método de trabalho para a apreciação dos artigos seguintes.
Como os Srs. Deputados estarão recordados, há uma proposta do PSD e do PP no sentido de agregar os artigos 38.º, 39.º, 163.º e 168.º, relativos à comunicação social.
Também o artigo 37.º, que tem uma única proposta do Bloco de Esquerda, embora a sua epígrafe seja "Liberdade de expressão e informação", diz respeito ao problema da concentração de propriedade dos meios de comunicação social. Além de que, na reunião anterior, houve uma proposta (se não me engano, do Sr. Deputado Marques Guedes), na altura aceite pela Comissão, no sentido de transferir para esta sede a discussão das alterações propostas pelo BE ao artigo 26.º.
Portanto, a discussão a que agora vamos proceder incidirá sobre as propostas de alteração aos artigos 26.º, 37.º, 38.º, 163.º e 168.º, mas, no que diz respeito aos artigos 163.º e 168.º, apenas na parte relativa às propostas do PSD e do CDS-PP sobre a comunicação social. Isto porque há propostas de alteração aos artigos 163.º e 168.º oriundas de outros partidos sobre outras matérias, nomeadamente sobre as autonomias regionais e, concretamente do PCP, sobre outras questões para além destas.
Posto isto, tem a palavra o Sr. Deputado Alberto Martins.

O Sr. Alberto Martins (PS): - Sr. Presidente, no quadro do que é regimentalmente permitido, iremos apresentar de imediato propostas de alteração relativas aos artigos 39.º, 163 e 168.º.

O Sr. Presidente: - Tem a palavra o Sr. Deputado Jorge Neto.

O Sr. Jorge Neto (PSD): - Sr. Presidente e Srs. Deputados, irei debruçar-me sobre a proposta do PSD e do CDS-PP relativa à matéria da comunicação social.
Sr. Presidente, Srs. Deputados: Creio ser consensual hoje o desajustamento e a incapacidade da Alta Autoridade para a Comunicação Social para uma eficaz regulação do sector. Isso constata-se, desde logo, na desadequação de competências, constata-se, ainda, na rigidez da composição do estatuto e manifesta-se de uma forma exuberante na desregulação do sector, com um incumprimento sistemático das regras em vigor, com a violação recorrente dos mais elementares direitos e garantias dos cidadãos.
É exactamente com base nesta fundamentação histórica que a maioria apresenta uma proposta concreta de alteração de algumas disposições constitucionais relativamente ao sector da comunicação social que visam, ao cabo e ao resto, a jusante, a criação de uma entidade independente, credível e respeitada, que dê resposta às exigências mais elementares de direitos, liberdades e garantias consagrados na nossa Constituição.
Gostava de recordar que esta proposta e a sua fundamentação não têm uma origem peregrina. Ela decorre de um consenso generalizado que promana dos diversos partidos políticos de um quadro partidário alargado, designadamente da própria esquerda.
Aproveito este ensejo para citar, entre outros, alguém que tem tido responsabilidades muito concretas na comunicação social provindo da esquerda, do Partido Socialista, concretamente o Sr. Deputado Alberto Arons de Carvalho, que, nos últimos tempos, não tem deixado de

Páginas Relacionadas
Página 0152:
  O Sr. Presidente (José de Matos Correia): - Srs. Deputados, temos quórum, pelo que declar
Pág.Página 152
Página 0153:
  pena privativa da liberdade com carácter perpétuo; é preciso saber que Estado é que está
Pág.Página 153
Página 0154:
  das nossas propostas sejam de reposição de um ou outro aspecto, mas outras não necessaria
Pág.Página 154
Página 0155:
  questão que, ainda não há muitos anos, se discutiu entre nós foi o problema da excisão fe
Pág.Página 155
Página 0156:
  A Sr.ª Assunção Esteves (PSD): - Sr. Presidente, Srs. Deputados: Gostaria de comentar a p
Pág.Página 156
Página 0157:
  O Sr. Presidente: - Para uma segunda intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado António Fi
Pág.Página 157
Página 0158:
  ao artigo 35.º, para o qual existe uma única proposta de alteração, apresentada pelo Part
Pág.Página 158
Página 0160:
  suscitar a necessidade de reponderação do sistema de regulação da comunicação social.
Pág.Página 160
Página 0161:
  dizer-se que é potencialmente o mais importante de todos, como se tivesse substituído a v
Pág.Página 161
Página 0162:
  Dirão alguns, porventura os mais conservadores, que esta alteração não trouxe nada de vul
Pág.Página 162
Página 0163:
  autoridade reguladora da comunicação social com consistência e densidade, é absolutamente
Pág.Página 163
Página 0164:
  Diria que a construção de uma retórica de limitação dos direitos de liberdade de imprensa
Pág.Página 164
Página 0165:
  que têm que ver com os princípios constitucionais, pode e deve configurar editorialmente
Pág.Página 165
Página 0166:
  de 2/3, parece correcto tentar aqui encontrar um equilíbrio entre aquilo que deve ser den
Pág.Página 166
Página 0167:
  talvez fosse uma boa oportunidade para dispensar esse truísmo da economia constitucional.
Pág.Página 167
Página 0168:
  acaba de fazer em termos de estratégia de revisão constitucional suscita-nos alguma perpl
Pág.Página 168
Página 0169:
  A relação entre estas duas categorias é uma relação que se traça basicamente assim: a mai
Pág.Página 169
Página 0170:
  O Sr. António Filipe (PCP): - Sr. Presidente, Srs. Deputados: Sem prejuízo de observações
Pág.Página 170
Página 0171:
  O Sr. Luís Marques Guedes (PSD): - Isso é difícil! O Sr. António Filipe (PCP): - A
Pág.Página 171
Página 0172:
  programático e prospectivo, a comunicação social fique atreita às baias da verdade, sem p
Pág.Página 172
Página 0173:
  essa lei, também na nossa proposta, sufragada nos precisos termos pelo Partido Socialista
Pág.Página 173
Página 0174:
  ele pode ser aprofundado de forma adequada e promocional, dentro daquela ideia em relação
Pág.Página 174
Página 0175:
  ou na parte de consumação e até de agravamento da lesão. Significa isto que, se se op
Pág.Página 175
Página 0176:
  Neste artigo, está consignado o direito de os cidadãos constituírem livremente associaçõe
Pág.Página 176
Página 0177:
  Luís Fazenda - e é sempre importante nestas questões não se trazerem grandes surpresas ao
Pág.Página 177
Página 0178:
  é que não podem participar do ponto de vista do direito de sufrágio. O que me deixa a
Pág.Página 178
Página 0179:
  do texto constitucional (que, como foi dito, têm em comum a matéria dos direitos, liberda
Pág.Página 179
Página 0180:
  dizê-lo, com esta proposta, não se pretende beliscar minimamente, tem determinado ou cond
Pág.Página 180
Página 0181:
  O Sr. Alberto Martins (PS): - Sr. Presidente, quero apenas dizer que recusamos qualquer r
Pág.Página 181
Página 0182:
  O Sr. Presidente: - Naturalmente que sim, Sr. Deputado. O Sr. Gonçalo Capitão (PSD)
Pág.Página 182
Página 0183:
  O Sr. Alberto Martins (PS): - Sr. Presidente, dá-me licença? O Sr. Presidente: - Fa
Pág.Página 183
Página 0184:
  a obrigatoriedade da consulta às associações ambientalistas. Em nosso entender, este prec
Pág.Página 184
Página 0185:
  Portanto, esta consagração constitucional vai, de facto, resolver esse problema e parece-
Pág.Página 185
Página 0186:
  Não nos parece que este objectivo de política concreta deva ser constitucionalizado, pese
Pág.Página 186
Página 0187:
  no sentido de que o ensino secundário seja universal e obrigatório. Ouvi com muito ag
Pág.Página 187
Página 0188:
  as liberdades, todos os direitos, todas as garantias, mas, obviamente, estamos aqui a fal
Pág.Página 188