O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

0176 | I Série - Número 009 | 21 de Outubro de 2000

 

projecto incompreensível. Não obstante diligências efectuadas junto dos serviços da Presidência do Governo Regional e da Assembleia Legislativa Regional, só junto da Assembleia da República foi possível obter a versão completa do mesmo.
2 - A presente informação procurará reflectir aquilo que da experiência recolhida pela existência de normativos em tudo semelhantes na Lei Eleitoral para a Assembleia Legislativa Regional dos Açores (LEALR) - Decreto-Lei n.º 267/80, de 8 de Agosto, na redacção que lhe foi dada pelas Leis n.º 28/82, de 15 de Novembro, e n.º 72/93, bem como pela Lei Orgânica n.º 2/2000, de 14 de Julho, que não só o alterou como renumerou e republicou -, introduzidos pela última alteração legislativa, possa ser útil para o projecto agora em apreciação.
II

3 - Artigo I do projecto de alteração da Lei Eleitoral para a Assembleia da República (LEAR)
Alínea f) do artigo 79.º-A:

a) Se houver razões ponderosas que justifiquem que se exclua qualquer eleitor que, por motivo de estudo ou formação profissional, se encontre deslocado, com alguma permanência, da sua residência habitual, creio que tais razões não subsistem quando se trate de eleitores nessas condições deslocados do Continente ou de uma das regiões autónomas para a outra.
É que, no caso da Assembleia da República, é claramente violado o princípio da igualdade quando se dá oportunidade aos eleitores dos Açores e da Madeira de exercerem o seu direito de voto antecipado fora da respectiva região autónoma, sem exigência de mudança de circunscrição, mas não se reconhece tal direito aos estudantes e formandos do Continente deslocados nos Açores ou na Madeira.
É que agora o universo eleitoral é muito mais amplo e a lei não pode deixar de considerar isso.
b) Afigura-se-me pouco precisa a utilização da expressão "eleitores recenseados nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira". Relevante, para efeitos de recenseamento, é a circunscrição de recenseamento: esta não está dependente da caracterização de nenhuma zona do país como região, autónoma ou não.
Daí que, mais correctamente, o artigo 79.º-A, n.º 1, alínea f), devesse estatuir "os eleitores inscritos em circunscrições de recenseamento situadas nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira (...)", como já havia sido proposto no projecto elaborado por estes serviços para a LEALR - a este propósito, a Lei n.º 13/99, de 22 de Março, que estabelece o regime jurídico do recenseamento, artigo 8.º.

III

4 - Artigo II do projecto de alteração da LEAR
Artigo 79.º-D
N.º 1:
Fotocópia autenticada do bilhete de identidade e do cartão de eleitor.
A questão da fotocópia autenticada dos dois documentos referidos foi uma das que mais celeuma levantou junto quer dos estudantes eleitores quer de alguns autarcas.
Por duas ordens de razões: burocratização e custo.

a) Contudo resulta, também, da redacção agora proposta que será de exigir documento autenticado por notário público.
Isto porque:
I - Não é aplicável ao caso concreto a norma do Decreto-Lei n.º 135/99, de 22 de Abril, na redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 29/2000, de 13 de Março (Medidas de modernização administrativa), que prevê que "para a instrução de processos administrativos graciosos é suficiente a simples fotocópia de documento autêntico ou autenticado (artigo 32.º).
II - Não é aplicável ao processo eleitoral quer para os órgãos de soberania quer para os órgãos das regiões autónomas (nem do poder local), porque nenhum deles pode, desde logo, ser considerado processo administrativo gracioso.
São, antes, parte integrante do direito constitucional.
III - Mesmo que assim não fosse, sendo a alteração proposta à LEAR posterior e especial relativamente ao referido decreto-lei, o legislador vem consagrar norma contrária àquela.
IV - É certo que o mesmo Decreto-Lei n.º 135/99, de 22 de Abril, no seu artigo 50.º, determina a própria prevalência sobre quaisquer disposições gerais ou especiais relativas aos diversos serviços e organismos da Administração Pública.
Mas impõe-se como evidente que tal disposição refere-se às normas de organização dos serviços da Administração Pública e não à matéria eleitoral.
V - Pela mesma razão não é, claramente, aplicável o Decreto-Lei n.º 30/2000, de 13 de Março.
VI - Como também inaplicável é o Decreto-Lei n.º 28/2000, de 13 de Março, que veio determinar que "podem certificar a conformidade de fotocópias com os documentos originais que lhes sejam apresentados para esse fim as juntas de freguesia e o operador de serviço público de correios, CTT - Correios de Portugal, SA".
Isto porque a expressão legal é fotocópia autenticada; ora documento autenticado, nos termos do artigo 377.º do Código Civil, é o documento particular autenticado nos termos da lei notarial (sublinhe-se, aliás, que em nenhum dos artigos do referido Decreto-Lei n.º 28/2000 é utilizada a expressão documento autenticado).
VII - Pode defender-se a utilização de documento autenticado porque a solenidade do acto e as especiais cautelas de que deve ser rodeado o impõem.
VII.i.) - Sendo certo que tal documento será devolvido ao seu titular.
VIII - O entendimento acima expresso é imposto pela determinação do artigo 9.º, n.º 3, do Código Civil de que "na fixação do sentido e alcance da lei o intérprete presumirá que o legislador consagrou as soluções mais acertadas e soube exprimir o seu pensamento em termos adequados".
b) Soluções possíveis:
A alteração à LEAR pode ser uma boa oportunidade para repensar a solução legal consagrada.