O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

15 DE ABRIL DE 2015 3

São apresentados vários argumentos para sustentação desta proposta: 1) que são necessárias “medidas de

proteção especiais” para garantir a produção e fruição de bens culturais; 2) que é “da maior importância a criação

de medidas que reforcem a ligação entre os artistas, as instituições culturais e os contribuintes”; 3) que esta

medida representaria “um importante reforço orçamental para entidades e instituições de outros setores que,

fruto das fortes restrições orçamentais dos últimos anos, se confrontam com um crescimento desinvestimento

público” e uma “diminuição significativa dos patrocínios institucionais e dos mecenas privados”.

PARTE II – OPINIÃO DO DEPUTADO AUTOR DO PARECER

O Deputado autor do parecer reserva a sua posição para momento posterior da discussão sobre a iniciativa

em apreço.

PARTE III – CONCLUSÕES

Nestes termos, a Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública emite o seguinte Parecer:

1. O Projeto de Lei n.º 807/XII (4.ª) Alarga às entidades que prosseguem atividades culturais a

possibilidade de consignação de uma quota do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares;

2. A consignação de uma quota de 0,5% do IRS já é atualmente possível, por escolha direta do

contribuinte, a instituições vocacionadas para fins humanitários e de beneficência;

3. Pretende-se alargar essa possibilidade de consignação, por escolha direta do contribuinte, a entidades

culturais devidamente certificadas para o efeito;

4. O membro do Governo responsável pela área da cultura é que é o responsável por certificar as entidades

culturais elegíveis para efeitos de consignação.

5. A presente iniciativa legislativa reúne os requisitos constitucionais, legais e regimentais para ser

apreciada em plenário da Assembleia da República.

Palácio de S. Bento, 1 de abril de 2015.

O Deputado Autor do Parecer, Pedro Filipe Soares — O Presidente da Comissão, Eduardo Cabrita.

PARTE IV – ANEXOS

Anexa-se o Parecer da Comissão de Educação, Ciência e Cultura.

Anexa-se a Nota Técnica elaborada ao abrigo do disposto do artigo 131.º do Regimento da Assembleia da

República

Parecer da Comissão de Educação, Ciência e Cultura

Índice

PARTE I – CONSIDERANDOS

PARTE II – OPINIÃO DO DEPUTADO AUTOR DO PARECER

PARTE III – CONCLUSÕES

PARTE IV – ANEXOS

Páginas Relacionadas
Página 0002:
II SÉRIE-A — NÚMERO 112 2 PROJETO DE LEI N.º 807/XII (4.ª) (ALARGA ÀS
Pág.Página 2
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 112 4 PARTE I – CONSIDERANDOS 1. Nota preliminar<
Pág.Página 4
Página 0005:
15 DE ABRIL DE 2015 5 Para os autores da iniciativa “um claro exemplo do exposto é
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 112 6 IV. INICIATIVAS LEGISLATIVAS E PETIÇÕES PENDENTES SOBRE A
Pág.Página 6
Página 0007:
15 DE ABRIL DE 2015 7 Comissão de Educação, Ciência e Cultura (8.ª). A maté
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 112 8 Em suma, incumbe ao Estado garantir o «direito de todos à
Pág.Página 8
Página 0009:
15 DE ABRIL DE 2015 9 Após a entrada em vigor da Lei n.º 16/2001, de 22 de junho, o
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 112 10 a) A atenção às pessoas com necessidades de cuidados obr
Pág.Página 10